O detector de trincas do tipo KMB é um equipamento para o controle magnético a bancada em estrutura sólida em aço muito funcional e compacto.

   

Uma característica importante é a velocidade de execução do exame que consiste em inserir o equipamento nas diversas linhas de produção, para o controle em série das peças impressas, fundida e peças subordinadas ao trabalho mecânico de grandes ou de pequenas dimensões do setor automobilístico, aeronáutico, ferroviário, naval, petroquímico, metalúrgico e siderúrgico.

 
   

Os exames magnéticos - elétricos métodos que evidenciam os defeitos superficiais e sub-superficiais com andamento longitudinal, transversal ou em qualquer forma orientado, sem necessidade de deslocar a peça travada entre os cabeçotes da máquina. Para um rápido travamento das peças entre as expansões polares (cabeçote) uma é fixa a movimento pneumático.

   

Existem fundamentalmente duas linhas de construção do detector de trincas que se diferenciam essencialmente na modalidade de aplicação do exame transversal (que melhor definiremos a seguir). No modelo KMB GM o exame transversal é efetuado mediante sistema de Yoke magnético, no modelo KMB BE o exame é efetuado mediante bobina em movimento.

   

Os vários modelos se diferenciam pela seção das peças examinadas, para a abertura máxima dos cabeçotes e para intensidade da corrente.

   

Detalhamos na seguinte tabela os nossos modelos padrão:

   
   
 
 
KMB __ 500-2
KMB __ 500-3
KMB __ 500-4
KMB __ 1000-3 KMB __ 1000-4 KMB __ 1000-5

Abertura máxima polar
Intensidade máx. exame elétrico
Dimensão
Diâmetro correspondente
Ampéres/espiras magnetizante
Potência absorvida (indicativa)

500mm
2000A
30cm2
62mm
20.000Asp
18KVA (45A)

500mm
3000A
78cm2
100mm
30.000Asp
27KVA (70A)

5000mm
4000A
177cm2
150mm
33.600Asp
36KVA (90A)

1000mm
3000A
78cm2
100mm
30.000Asp
27KVA (70A)

1000mm
4000A
177cm2
150mm
33.600Asp
36KVA (90A)

1000mm
5000A
389cm2
223mm
39.000Asp
45KVA (120A)

 
KMB __ 1500-4
KMB __ 1500-5
KMB __ 1500-6
KMB __ 2000-4 KMB __ 2000-5 KMB __ 2000-6

Abertura máxima polar
Intensidade máx. exame elétrico
Dimensão
Diâmetro correspondente
Ampéres/espiras magnetizante
Potência absorvida (indicativa)

1500mm
4000A
177cm2
150mm
33.600Asp
36KVA (90A)

1500mm
5000A
389cm2
223mm
39.000Asp
45KVA (120A)

1500mm
6000°
565cm2
268mm
48.000Asp
54KVA (135A)

2000mm
4000A
177cm2
150mm
33.600Asp
36KVA (90A)

2000mm
5000A
389cm2
223cm
39.000Asp
45KVA (120A)

2000mm
6000A
565cm2
268mm
48.000Asp
54KVA (135A)

     


magnetoscopi da banco
01 - Lâmpada Luz Negra postação fixa
02 - Painel de comando
03 - Controles de comando para "Start ciclo" e seleção do tipo de exame.
04 - Grupo cabeçote de magnetização
05 - Estrutura cabine escura
06 - Quadro elétrico
07 - Entrada de ar
08 - Saída drenagem do líquido magnético
09 - Tanque de recuperação e agitação do líquido Magnético.
10 - Pistola lança líquido magnético
11 - Estrutura da máquina
12 - Filtro regulador lubrificador
13 - Tenda em tecido anti-chama
14 - Trança em arame revestida de forma química Especial
 

Todos os equipamentos são geralmente constituídos de:
• Estrutura em forma de bancada constituída com aço especial, pintura RAL 6011 (outra cor a pedido).
• Banho: Manual através de pistola distribuidora, automática com tipo de jato sob pedido
• Cabine escura com armação tubular de aço e tenda de escurecimento.
• Tanque de líquido magnético.
• Tanque interno para agitação do líquido magnético.
• Circuito pneumático composto de: Entrada de ar no filtro redutor lubrificador que controla a entrada do ar, eletro válvula para comutação fechado/aberto cabeçote, eletro válvula para comutação que atua na troca ducha/agitação, sistema pneumático para fechar/abrir cabeçote.
• Grupo cabeçote magnetizante (sistema a Yoke/bobina de magnetização externa).
• Grupo de potência.
• Quadro elétrico de comando.
• Painel de comando, start ciclo e lança exame.
• Controle de comando e regularização com instrumentação digital

   
   
TÉCNICA DE MAGNETIZAÇÃO - Exame magnético fluxo longitudinal
     
     
Vantagens:
- Permite uma penetração do fluxo superior a média.
- Nenhum impedimento em fase de carga e em fase de descarga das peças, favorece a operação de jato em manual.
Desvantagens:
- Maior resíduo magnético nas peças depois do exame. Dificuldade de atingir diretamente na máquina um bom nível de desmagnetização (enfatizo que na maioria dos casos, esse tipo de preparação das estações de desmagnetização são separadas do equipamento).
     
TÉCNICA DE MAGNETIZAÇÃO - Magnetização em bobina em movimento (fluxo longitudinal)
     
     
Vantagens:
- Homogênea distribuição da partícula magnética por toda área específica do exame.
- Menor resíduo magnético nas peças depois do exame.
- Possibilidade de desmagnetização total das peças examinada diretamente na máquina.
Desvantagens:
- Se não aplicado com específica exatidão a magnetização com bobina externa não detectará defeito de uma certa profundidade.
- Em muitos casos a bobina externa rende complicada manobra de carga e descarga, além disso no detalhe de um certo comprimento retarda a grande velocidade do ciclo (por quase toda aplicação).
- A presença da bobina poderá dificultar o jato manual.
     
TÉCNICA DE MAGNETIZAÇÃO - Exame elétrico fluxo circular